sábado, 25 de janeiro de 2014

Em Huaraz: A cidade base para os passeios ao Parque Nacional Huascarán (04º Dia)



Chegamos à cidade de Huaraz às 4 h da manhã. No ponto de desembarque da empresa de Transportes Línea estava o amigo do dono do hotel de Trujillo, com um cartaz com os nossos nomes. Seu nome é Denis e ele tem uma pequena agência de turismo com tours por toda a região da Cordilheira Branca. Foi muito bom ter alguém esperando por nós lá, pois como ainda era madrugada, não teríamos noção de onde ir e teríamos que esperar até o amanhecer para procurar por um hotel e contratar algum passeio. Assim, seguimos com o Denis em um taxi até o "Hotel Casablanca". Chegando ao hotel, ele nos mostrou as possibilidades de passeios nos arredores da cidade. Para uma programação completa, precisaríamos de 4 dias, mas havíamos programado de ficar nesta região por apenas dois dias. No entanto, como os preços estavam bastantes acessíveis (s/ 50 por dia, translado e guia) e as atrações imperdíveis, decidimos ficar pelo menos 3 dias. Foi uma excelente decisão, pois a região é realmente fantástica!  

Huaraz está situada a uma altitude de 3.091 m e localizada a 470 km de Lima e a 310 km de Trujillho. Ela é a cidade base para os turistas que querem visitar o Parque Nacional de Huacarán e encontra-se num vale formado pela Cordilheira Negra e a Cordilheira Branca, ambas são uma extensão da cordilheira dos Andes. A Cordilheira Branca tem um grande número de montanhas acima de 6.000 metros de altitude, perdendo apenas para o Himalaia neste quantitativo.

Dormimos por aproximadamente 3 horas e já às 09 h, conforme agendado com o Denis, uma van com guia e outros turistas passou em nosso hotel para buscar-nos para o tour em direção às Lagunas Llanganuco e Campo Santo de Yungay (1º Tour). No trajeto paramos em Carhuaz, um vilarejo há 35 km ao norte de Huaraz, para tomarmos sorvete e conhecermos a "plaza de armas". Não deixem de provar o sorvete de chirimoya e de lúcuma, frutos típicos da região andina.

"Plaza de Armas" de Carhuaz


Logo seguimos para entrada do Parque Nacional Huascaran, setor com acesso às Lagunas Lhanganuco situado à 86 km de Huaraz. Após Yungay, há um trecho sinuoso com estradas de terra. O guia aproveitou para nos contar as histórias e lendas da região, enquanto apreciávamos a simplicidade da vida no campo das pessoas do povoado que mora às margens do parque.

Chegamos ao complexo de Lagunas Llanganuco para visitar a Laguna Chinancocha, situada numa altitude de 3.850 m. Para acesso foi necessário o pagamento de s/ 5,00 por pessoa. Mesmo com céu já começando a fechar, o azul turquesa do lago nos deixou maravilhados com o local. Formando o vale, encontra-se de um lado, a montanha mais alta do Peru, o Monte Huscarán (6.768 m) e do outro o Monte Huandoy (6.395 m). Por s/ 5,00 por pessoa há possibilidade de se fazer um passeio de barco no lago e por s/ 1,00 provar a Cachanga (ver postagem "Cachanga" ...).

Entrada "Parque Nacional Huascarán
- Sector LLanganuco"

Passeio de barco em uma
das lagunas de Llanganuco por s/ 5,00



Vale glacial entre Monte Huascarán
e Monte Huandoy
Monte Huascarán, com 6.768 m
 é a montanha mais alta do Peru
Laguna Chinancocha,
a 3.850 metros de altitude
O almoço foi num pequeno restaurante na estrada, com comidas típicas da região. Aproveitamos para provar o "cuy frito", já que podíamos ver a procedência da comida que era criada ali mesmo (ver postagem "Cuy Frito" ...). À tarde visitamos o Campo Santo em Yungay. Este povoado já viu desaparecer e precisou reconstruir sua pequena cidade algumas vezes em razão dos terremotos na região. O mais devastador ocorreu em 31 de maio de 1970, quando os tremores provocaram o desprendimento de grandes placas de gelo e granito do Monte Huascarán causando uma grande avalanche de pedras, lama e vegetação que se deslocou com uma velocidade média de 280 km/ h por cerca de 16 km e se projetou contra a cidade matando 22.000 pessoas.
"Expresso Ancash"

Torre da Igreja do antigo povoado de Yungay


Campo Santo, Yungay

A parte central do antigo vilarejo hoje é um cemitério conhecido como Campo Santo, pois a quantidade de material que soterrou o local, destruindo sua igreja, praça, casas e ruas inviabilizou a remoção dos corpos e objetos. Uma imagem impressionante da destruição causada é os restos de um ônibus "Expresso Ancash". No fim da tarde seguimos até Caraz, um pequeno povoado que foi poupado da destruição no ano de 1970. Paramos ainda para comprar doce de leite e lembrancinhas e regressamos à Huaraz por volta das 19 horas, neste dia percorremos 193 km (ida e volta).


"Plaza de Armas" de Caraz

Roteiro 1º Tour em Huaraz (193 km) por s/ 50,00







































Ah! Segue referência da agência de turismo do Denis:



Olá,
já curtiu nossa página no Facebook?
Curta e fique por dentro dos nossos novos posts!
https://pt-br.facebook.com/viajanteautonomo
Ah! Caso tenha alguma dúvida sobre algum ponto abordado nesta postagem ou quiser receber outras informações, registre seu comentário abaixo.

2 comentários:

  1. Olá, vocês teriam o contato do Denis? Estou indo para Huaraz no dia 15 de julho.
    Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Laura. Eu tenho o contato no facebook dele hoje:
      https://www.facebook.com/erichdenis.diazjamanca?pnref=friends.search

      Tem também a página da agencia dele:
      https://www.facebook.com/Agencia-de-viajes-y-turismo-encantos-del-peru-1379620555612566/?fref=nf&pnref=story

      Na página tem o número de celular também, caso queira falar pelo whatsapp. Qualquer dúvida é só avisar.

      Excluir