sábado, 22 de fevereiro de 2014

Desayuno Continental: Um café da manhã típico do Peru



Na maioria dos hotéis e restaurantes pelo mundo os estabelecimento optam por uma das três modalidades distintas de café da manhã: o café da manhã americano, o café da manhã continental ou o buffet. Em nosso país é comum os hotéis e pousadas servirem o café da manhã através de buffet com opções de bolos, frios, salgados e bebidas. Já no café da manhã no Peru, em regra, é servido o "desayuno continental", ou seja, o café da manhã continental, que consiste em café, leite, chá (ver postagem "Mate de Coca" ...), um copo de suco de frutas, uma porção de geleia, uma porção de manteiga e dois pães por pessoa. Em alguns lugares o café é concentrado, neste caso o volume líquido que é servido é pequeno e frio, devendo ser misturado com água quente. O nosso segundo café da manhã no país foi em uma lanchonete. Olhamos para a mesa e perguntamos à garçonete: "¿Dónde está el café?...". Para nossa surpresa ela apontou para o pequeno recipiente que pensávamos ser algum tipo de molho. Com um grande conhecimento da culinária local nossa segunda frase foi: "pero no es caliente..." e imediatamente ela respondeu: "voy traer el água...". Em poucos minutos ela voltou com uma garrafa térmica com água quente. O leite também é concentrado, lá denominado "leche evaporada". Similar ao leite condensado mas sem açúcar, pois cerca de 60% da água é removida durante o processo de fabricação, é vendido nos mercados em embalagens pequenas. Para obter a consistência do leite que costumamos consumir no Brasil, deve ser remisturado com água.

"Leche Evaporada"
Olá,
já curtiu nossa página no Facebook?
Curta e fique por dentro dos nossos novos posts!
https://pt-br.facebook.com/viajanteautonomo
Ah! Caso tenha alguma dúvida sobre algum ponto abordado nesta postagem ou quiser receber outras informações, registre seu comentário abaixo.
Leia Mais ►

Catacumbas de San Francisco: uma das atrações turísticas imperdíveis de Lima



Uma das atrações imperdíveis em Lima é a visita ao Convento e Catacumbas de San Francisco. O complexo está localizado há duas quadras da "plaza mayor" no Centro histórico da cidade. O boleto de entrada custa s/ 7,00 por pessoa e inclui um guia que acompanha o tour pelas áreas do convento e câmaras subterrâneas onde foram depositados ossos de cerca de 25 mil pessoas. Nos poços os corpos eram empilhados e cobertos com cal para acelerar o processo de decomposição e minimizar odores; depois os ossos eram classificados e guardados. A igreja do convento também é muito bonita e foi construída com "quincha" (uma mistura de junco, barro e gesso). Como o junco é muito eficaz na absorção de vibrações, pois suas fibras tem um comportamento elástico e minimizam a propagação das ondas pelo resto da estrutura, esse sistema construtivo resiste bem a terremotos. Sua leveza também é outro atributo valioso para a engenharia, pois há uma redução significativa das cargas da estrutura e eventuais colapsos também produziram menores danos. Há missas todos os dias das 07:00 h às 08:00 h e das 16:00 às 20:00 h, mas eventuais reprogramações poderão ser consultadas no site http://www.museocatacumbas.com/.  Na postagem do relato de viagem do "2º Dia - Centro histórico de Lima ..." comentamos sobre outras atrações desta visita. No verso do boleto de entrada ao museu está a "Oração de San Francisco pela Paz" abaixo traduzida. 



















ORAÇÃO DE SÃO FRANCISCO PELA PAZ

"Senhor, fazei de mim um instrumento de vossa paz.

Onde houver ódio, que eu leve o amor, 
onde houver ofensa, leve perdão; 
onde houver discórdia, leve a união; 
onde houver erro, leve a verdade; 
onde houver dúvida, leve a fé;
 onde houver desespero, leve a esperança; 
onde há escuridão, leve vossa luz; 
onde houver tristeza, que leve eu alegria.

Oh Senhor, 
que eu não me esforce tanto em ser consolado,
como em consolar.
em ser compreendido, como em compreender;
em ser amado, como em amar;
porque dando, que se recebe, 
esquecendo, que se encontra;
perdoando, que se é perdoado;
morrendo que nascemos para a vida eterna."


BENÇÃO DE SÃO FRANCISCO
Que o senhor te abençoe e guarde,
mostre a você seu rosto e dê sua graça,
veja você com bons olhos e conceda a paz.
Que o Senhor te abençoe.


Olá,
já curtiu nossa página no Facebook?
Curta e fique por dentro dos nossos novos posts!
https://pt-br.facebook.com/viajanteautonomo
Ah! Caso tenha alguma dúvida sobre algum ponto abordado nesta postagem ou quiser receber outras informações, registre seu comentário abaixo.
Leia Mais ►

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Passeio de barco às Ilhas Ballestas (08º Dia - 01/02)



Acordamos cedo e fomos ao terraço do hotel El Gamonal para tomar o desayuno com uma bela vista para o oceano pacífico na bahia de Paracas. Às 07:30 h já estávamos na agência "The Pacific". Na tarde anterior, após o retorno do passeio à Reserva Nacional de Paracas, compramos o tour às Ilhas Ballestas por s/ 50,00 por pessoa. Da agência seguimos de van até a marina onde turistas de várias nacionalidade aguardavam as saídas dos barcos e lanchas. Fomos apresentado ao guia que ao saber que éramos brasileiros imediatamente nos perguntou o que significava "tchê tchererê tchê tchê" ... essa foi difícil, mas a vantagem é que não há uma tradução... mas tente traduzir "ai ai se eu te pego" como tentamos explicar ao guia que nos levou à reserva no dia anterior, pra ver no que dá... bem, enfim, se você espera escutar apenas música com flauta andina no Peru desista, pois as canções de Gusttavo Lima e Michel Telô já chegaram por lá. Logo o guia nos apresentou a um outro casal de brasileiros. Já estávamos há oito dias no país e eles foram os primeiros brasileiros que encontramos nesta viagem, pois estávamos vindo da região norte do país, ainda pouco visitada por brasileiros. Mas se você está planejando ir ao Peru, efetivamente considere visitar os sítios arqueológicos de Trujillo, cidade situada no deserto do norte e Huaraz, um dos mais importantes destinos turísticos para conhecer o Parque Nacional Huascarán. Conversamos um pouco com eles, pois logo nos afastamos para o embarque. Na sequencia da viagem nosso roteiro coincidiu com parte do plano de viagem desse casal, então o Gustavo e a Eliza voltarão a aparecer em nossos relatos... A lancha saiu às 8 horas e a primeira parada no mar foi para visualizarmos um bando de pelicanos peruanos. Essas aves com sua plumagem cinza escura e seu grande bico amarelo são comumente encontradas na costa do Pacífico entre o Peru e Chile.

Pelicanos
Seguimos adiante e estávamos diante de "el Candelabro".  Esse é o grande enigma que só pudemos visualizar do mar durante o trajeto entre o porto de El Chaco e as Ilhas Ballestas.  Numa colina de areia, às margens do Pacífico, um espantoso geoglifo desenhado com mais de 170 metros de altura, 30 metros de largura e profundidade média de 60 centímetros. Voltado para o norte e abrigado dos ventos, nunca se apaga...  Sua origem e função ainda é um mistério. O barco para e o guia faz explanações sobre as teorias deste segredo que pode estar relacionado às fabulosas Linhas de Nazca

"El Candelabro", geoglifo desenhado numa colina de areia na bahia de Paracas
Logo chegamos às Ballestas, um grupo de pequenas ilhas que abriga centenas de espécies de aves, incluindo pinguins. Mas o ponto alto do passeio é observar os leões-marinhos. Num primeiro momento, comparativamente com a quantidade de aves, parece que há poucos. Assim, quando um ou outro é visualizado, todos ficam eufóricos para fazer o registro fotográfico. No entanto, no fim do percurso, a lancha passa por uma uma pequena praia em que há um berçário de leões-marinhos! Então é possível vê-los de todas as formas... nadando ou tomando sol, grandes ou pequenos, silenciosos ou rugindo...

Arcos e grutas nas ilhas Ballestas
Passeio de lancha nas ilhas Ballestas

Pinguins nas ilhas Ballestas


Aves nas ilhas Ballestas

Leões-marinhos nas ilhas Ballestas

Berçario de leões-marinhos nas ilhas Ballestas

Recomenda-se que o passeio às ilhas seja feito pela manhã, pois no decorrer do dia há alterações na maré que dificultam a aproximação das lanchas aos rochedos e a observação dos animais no local. Também é importante levar um casaco ou algo para se proteger do frio, pois quando a lancha atinge grandes velocidades o vento é bem gelado. Falando em vento e aos que não dispensam o uso de boné, gorro ou chapéu... prendam-no bem, pois um certo amigo brasileiro que conhecemos nesse dia ficou sem o dele durante o trajeto ... não é mesmo Gustavo?! ... hehehe



Olá,
já curtiu nossa página no Facebook?
Curta e fique por dentro dos nossos novos posts!
https://pt-br.facebook.com/viajanteautonomo
Ah! Caso tenha alguma dúvida sobre algum ponto abordado nesta postagem ou quiser receber outras informações, registre seu comentário abaixo.
Leia Mais ►

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Projeto viagem ao Egito e Oriente Médio

Conhecer as famosas pirâmides do Egito é o sonho de muitos viajantes pelo mundo afora. Quem nunca ficou intrigado ao ver as imagens destas maravilhas da antiguidade? Quem as fez? Com que propósito? Como foram construídas? Muitas vezes um sonho distante, que "um dia quem sabe irei conseguir realizá-lo", ou ainda "talvez quando eu me aposentar eu consiga juntar um dinheiro para viajar"... Mas como tudo na vida, para transformar um sonho em uma meta realizável é necessário planejar, se esforçar, trabalhar nesta ideia.


Até bem pouco tempo atrás, viajar ao exterior para nós também era somente uma remota possibilidade para o futuro. Conhecer o Egito então, nem se fala... Mas após conseguirmos realizar nossa primeira viagem no ano passado ao Peru (ver relato aqui), uma bem sucedida viajem econômica no estilo "mochileiros", vislumbramos ir além. O que era somente uma possibilidade para o futuro hoje é uma viagem com data marcada. Sim, já adquirimos as passagens e estamos na fase pesquisa e planejamento para a tão sonhada jornada ao Egito. Para aproveitar melhor o investimento nas passagens aéreas, decidimos estender também os locais visitados. Sendo assim, incluímos uma passada na Jordânia e o grande final na Terra Santa, Jerusalém. Nossa viagem ficou assim: ida São Paulo - Cairo, volta Tel Aviv - São Paulo. Todo o deslocamento entre estes dois pontos será feito percorrendo as cidades e atrações mais importantes dos 3 países. Decidir por este roteiro não foi uma tarefa fácil, afinal as notícias da situação política e da revolta popular que vem ocorrendo no Egito desde 2011 seriam fortes argumentos para não irmos àquela região. Em Israel, palestinos e israelenses vem travando uma disputa por territórios a décadas. Noticias sobre terrorismo e até um pouco de fanatismo religioso não são raras nesta região do Oriente Médio e Egito. Felizmente a situação no Egito melhorou bastante nos últimos meses, as manifestações popularem diminuíram e a repressão do governo também, segundo constam nos noticiários. Pesquisem relatos de viagem na internet e verão que apesar da situação instável no Egito, viajar para lá não é menos seguro para um estrangeiro do que ele vir ao Brasil, por exemplo. O que diria um estrangeiro ao assistir um noticiário brasileiro sobre a violência cotidiana nas nossas grandes cidades? Assaltos ao comércio, arrastões em restaurantes e condomínios, assassinatos brutais, violência no transito, manifestações que terminam em depredação e aí por diante... Você se sentiria seguro em vir ao Brasil se fosse um estrangeiro viajando por conta própria? Eu me sinto seguro vivendo em minha cidade, porém sei que é necessário ter cuidado em determinados locais e horários, assim como em qualquer cidade do mundo. Muitos relatos nos encorajaram também a seguir com nosso projeto ao afirmarem que, em nenhum destes países o turista é um alvo direto da violência, afinal são os turistas quem trazem o dinheiro que movimenta a economia a gera trabalho para muito gente. Todos os roteiros turísticos são mito bem vigiados pela polícia. Sendo assim, unimos alguns fatores que pesaram em nossa decisão: passagens aéreas promocionais com possibilidade de abranger mais do que um destino na mesma viagem, atrações de peso, custo baixo (Egito), conhecer novas culturas totalmente diferentes da nossa, realizar um grande sonho. Nossa alegria, além de poder ir para lá, é também poder dividir esses momentos em nosso blog. Assim, continuaremos nossos relatos de preparação e posteriormente também os relatos da viagem conforme forem transcorrendo.

Obrigado por nos acompanhar!

Leia Mais ►

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Machu Picchu: além da cidade sagrada dos Incas, o que há para conhecer no Peru


Viajante Autônomo - Peru


No Peru o destino mais conhecido é a cidade de Machu Picchu, mas além da cidade perdida dos incas o país possuí outros tesouros tão belos e intrigantes. Geograficamente o Peru abrange uma diversidade de ecossistemas em áreas relativamente curtas... Assim em um dia você pode estar no deserto costeiro do pacífico e no outro subindo um monte nevado nos Andes. Antes dos incas (1197 d.C a 1532 d.C), outras civilizações também deixaram um legado arqueológico no país, então, mantendo-se a comparação que fiz com as paisagens naturais, num dia você pode estar visitando um templo da cultura Chavín construído por volta do ano de 1300 a.C na região da cordilheira andina, e no outro, sobrevoando as linhas de Nazca (500 a.C a 500 d. C) na costa sul do Peru. A imagem abaixo indica a rota que fizemos no país. Para conhecer as possibilidades neste país, acesse o filtro de pesquisa PERU. Você encontrará relatos de viagem, curiosidades, vídeos, músicas, documentários, de forma a facilitar as informações relativas ao país. Descubra este país sem gastar muito, explorando de forma autônoma suas montanhas, desertos, cânions, sítios arqueológicos e cidades.

Roteiro de viagem no Peru

Roteiro para 20 dias no Peru:
Chegamos à Lima, capital do Peru, em 01/04/2013 (Ponto A). Na noite do dia 02/04 embarcamos para a cidade de Trujillo (Ponto B), base para visitar Chan Chan, a maior cidade de adobe (barro) do planeta e o Templo do Sol, maior pirâmide pré-colombiana em adobe das Américas. Na manhã do dia 04/04, amanhecemos na cidade de Huaraz (Ponto C), área da cordilheira Branca (cordilheira com maior número de montanhas acima de 6 mil metros fora do Himalaia). No dia 07/04 passamos pela capital rumo à costa sul do país para conhecer a bahía de Paracas (Ponto D). Na tarde do dia 08/04 estávamos em Ica (Ponto E) para aproveitar o oásis de Huacachina e à noite conseguimos chegar até a cidade de Nazca (Ponto F) para o sobrevôo de um dos maiores mistérios arqueológicos do mundo, os geoglifos do deserto de Nazca. Em 10/04 acordamos em Arequipa (Ponto G), a cidade branca do Peru. Estivemos no povoado de Chivay (Ponto H) para visitar o canion del Colca, um dos mais fundos do mundo. Na noite de 12/04 chegamos à Puno (Ponto I), ponto de partida para os passeios ao lago Titicaca, e na tarde de 15/04 à Cusco (Ponto J), terra dos incas.  No dia 18/04 chegamos à magnífica Machu Picchu!

Olá,
já curtiu nossa página no Facebook?
Curta e fique por dentro dos nossos novos posts!
https://pt-br.facebook.com/viajanteautonomo
Ah! Caso tenha alguma dúvida sobre algum ponto abordado nesta postagem ou quiser receber outras informações, registre seu comentário abaixo.

Leia Mais ►

Paracas: Na costa sul do Peru o encontro do deserto árido e o mar fértil do Pacífico (07º Dia)



Chegamos à Lima às 5:30 h da manhã no terminal/ oficina da empresa de Transportes Línea. Havíamos partido de Huaraz na noite anterior às 23 horas. Nas viagens à noite economizávamos uma diária de hotel e como os ônibus são bem confortáveis, logo pela manhã já estávamos prontos para mais um destino... Paracas!!! Conversando com o guarda da oficina descobrimos que ele já havia morado no Brasil, perguntou se conhecíamos um dos ídolos do futebol peruano (o atacante do Corinthians, Paolo Guerrero) e nos ensinou como chegar até Pisco. Seguindo as orientações do guarda pegamos um táxi até a empresa de transportes Soyuz por s/ 10,00. Lá conseguimos passagens para Pisco por s/ 38,00 por pessoa com saída prevista para às 08:30 h. Ficamos aguardando na sala Vip da empresa com café, chá, bolachas, sofá, ar condicionado, televisão... efetivamente, o saguão comum das oficinas é bastante tumultuado, como nas rodoviárias aqui no Brasil. Em Pisco, descemos na rodovia Panamericana. No trajeto de Lima à Pisco a região é seca e muitas casas são bastante simples construídas apenas com esteiras de junco.

Casas construídas com esteiras de junco
Vilarejos às margens da Rodovia Panamericana
Às margens da rodovia há um pequeno conglomerado de oficinas, lanchonetes e pontos de taxi. Por s/ 20,00 combinamos com um taxista o trajeto até a praia de "El Chaco", na bahía de Paracas. O motorista levou-nos à agência "The Pacific" que programou nosso passeio naquela tarde para a Reserva Nacional de Paracas por s/ 40,00 por pessoa. De acordo com as características que pedimos indicaram o hotel "El Gamonal" com diária de s/ 80,00 para "habitaciones matrimoniales". No hotel, a poucos metros da agência, escolhemos um quarto com vista para o deserto e oceano pacífico, muito confortável, limpo e arejado. Em El Chaco há opções de hospedagens para todos os gostos e preços, pois Paracas é um dos destinos mais visitados depois de Machu Picchu... talvez pouco conhecido pelos brasileiros, mas muito visitado por europeus, norte americanos e pelos próprios peruanos.  "Na postagem Reportagem no Peru: Paracas, reserva de felicidade ..." postamos os vídeos do programa "Reportaje al Perú" da TV Perú nos quais Manolo del Castillo apresenta muito bem essa região. Às 13:30 h já estávamos prontos para o passeio da tarde à Reserva Nacional de Paracas. O guia da agência era muito simpático e atencioso e iniciou nosso tour no monumento criado em homenagem à "Expedição Libertadora" liderada pelo general José de San Martin. O desembarque das tropas na bahía de Paracas em 1820 marcou o início de uma série de episódios que culminou na libertação do Peru do domínio espanhol. Seguimos para a entrada da Reserva Nacional de Paracas, criada em 1975 com o objetivo de proteger a flora e fauna do mar e do deserto da costa sul do Peru.

Placa na entrada da Reserva Nacional de Paracas
Fomos primeiro conhecer o Centro de Visitantes e o museu Julio C. Tello dentro da reserva. Além da exposição sobre a cultura Paracas e flora e fauna da região há um mirante no qual é possível observar os flamingos peruanos.

Exposição vida marinha Reserva Nacional de Paracas
Flamingos peruanos
Seguimos pelo deserto até uma zona de fósseis marinhos e depois, até o ponto denominado "La Catedral". Infelizmente o terremoto de 2007 com magnitude de 7,9 graus na escala Richter e epicentro no Peru (fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u320435.shtml) destruiu o arco desta formação rochosa. De qualquer forma, o encontro do deserto com o mar neste ponto é ainda muito belo e merece ser visitado.

Indicação acesso mirante à formação rochosa "La Catedral"

"La Catedral", sem o arco destruído no terremoto de 2007

Vista do paredão de rochas no mirante "La Catedral"
As praias da reserva são também belíssimas e algumas chamam a atenção pela coloração diferenciada das suas areias, assim, o tom avermelhado da areia de origem vulcânica rica em minério de ferro e cobre nomeou a "Playa Roja". Outro praia que se destaca é de Supay e o deserto, uma extensão do deserto do Atacama.


Praia Vermelha na Reserva Nacional de Paracas
"Playa Roja"


"Playa Supay"
Oceano Pacífico e praia de Supay

Deserto da Reserva Nacional de Paracas

Na reserva as estradas foram revestidas com sal já que a aplicação de outro revestimento como por exemplo a massa asfáltica poderia comprometer a preservação do local. Desta forma,  "La Carretera de Sal" foi executada com o sal retirado das Salinas de Otuma. 

"La Carretera de Sal" na Reserva Nacional de Paracas

À noite jantamos em um dos restaurantes que margeiam a orla bahía de Paracas. Há várias opções de restaurantes, feira de artesanato e um fim da tarde fantástico! 

Fim da tarde na praia "El Chaco" em Paracas


Olá,
já curtiu nossa página no Facebook?
Curta e fique por dentro dos nossos novos posts!
https://pt-br.facebook.com/viajanteautonomo
Ah! Caso tenha alguma dúvida sobre algum ponto abordado nesta postagem ou quiser receber outras informações, registre seu comentário abaixo.

Leia Mais ►

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Reportagem no Peru: Paracas - reserva de felicidade




O programa abaixo é apresentado por Manolo del Castillo na "TV Perú". Trata-se de um programa de turismo e aventura, obviamente que em espanhol, no qual é possível conhecer as regiões turísticas do Peru. Dentro da galeria de vídeos, segue abaixo os que foram gravados na Reserva Nacional de Paracas, na costa sul do país.



fonte: youtube/ http://www.tvperu.gob.pe/reportajealperu.html


Olá,
já curtiu nossa página no Facebook?
Curta e fique por dentro dos nossos novos posts!
https://pt-br.facebook.com/viajanteautonomo
Ah! Caso tenha alguma dúvida sobre algum ponto abordado nesta postagem ou quiser receber outras informações, registre seu comentário abaixo.
Leia Mais ►

Nevado Pastoruri: Preparação para chegar aos 5.240 metros de altitude (06º Dia)


O passeio para o Nevado Pastoruri (3º Tour), situado na Cordilheira Branca, partiu às 8:00 da manhã.  Na postagem "Em Huaraz: A cidade base para os passeios ao Parque Nacional Huascarán", descrevemos como chegamos à região e contratamos esse tour.

Roteiro 3º Tour em Huaraz (108 km) por s/ 50,00
Pouco antes da van chegar, paramos em frente ao hotel em que estávamos hospedados para observar a movimentação da cidade... muitos carros, buzinas, pessoas indo ao trabalho, vendendo produtos na rua, levando frangos e carnes ao mercado, bicicletas, motos e carros buzinando... A manhã começava em Huaraz e a simplicidade daquele cotidiano nos surpreendia a cada minuto enquanto aguardávamos o guia chegar.

Transporte de carnes 



Venda de cereais
Transportando frangos 

Venda de frutas e verduras 

Trânsito




















Há três dias estávamos na região de Huaraz para acostumar o organismos e fazermos tranquilos a subida, mas para garantir trazíamos conosco também um saquinho de folhas de coca adquirido no mercado municipal da cidade por s/ 1,00 (um dos conselhos do guia no fim do passeio do dia anterior, ver postagem Chavín de Huántar: Nos labirintos da maior e mais antiga cultura do Peru). Seguimos com o guia e outros turistas de van por cerca de 110 km, ao sul da cidade de Huaraz. No trajeto, fizemos paradas para tomar chá de coca, provar da água de uma fonte natural de água gasosa, ver pinturas rupestres e fotografar a "Puya raimondii", a maior bromélia do mundo que só é encontrada em certas áreas remotas dos Andes. Todo o trajeto era de atrações, que nem ligamos para o cansaço que já começávamos a sentir nas pequenas caminhadas no trecho.


Pinturas Rupestres
Puya raimondii, maior bromélia do mundo
Fonte de água gasosa no andes peruanos
Ao chegarmos à base da montanha, contratamos cavalos para amenizar os esforços da subida... em grandes altitudes qualquer movimento representa um imenso esforço, então valeu a pena investir s/ 9,00 por pessoa para ir um trecho a cavalo. Há cerca de 350 m do início da geleira, tivemos que seguir a pé ... a cada 20 metros fazíamos pausas para amenizar o cansaço, apreciar a paisagem, tomar água e retirar mais folhinhas de coca da mochila ... Há 5.240 metros acima do nível do mar, todo o esforço foi recompensado pela espetacular vista do topo da montanha nevada e de um lago parcialmente congelado existente no local!!! Em razão do aquecimento global o glaciar esta derretendo e alguns especialistas preveem seu desaparecimento dentro dos próximos 20 anos. O seu acesso não requer experiência em escalar montanhas, mas é recomendável que a subida seja acompanhada por um guia. No regresso registramos fotos com o nosso grupo: "Los Coqueros" ... 


Trajeto à pé em Nevado Pastoruri



Lago congelado em Nevado Pastoruri








Se protegendo do frio em Nevado Pastoruri




 Grupo "Los Coqueros" em Nevado Pastoruri
No retorno à cidade, fizemos uma parada para o almoço. Comemos um sanduíche de queijo e "llunca de gallina" (sopa de trigo com frango). Às 16 horas já estávamos na cidade e iniciamos nossos preparativos para partirmos da região (aquisição de suprimentos no mercado, cambio de moedas, check out do hotel, etc). Nosso próximo destino seria a costa sul do Peru. Adquirimos as passagens para Lima na empresa de transportes Línea com saída prevista para às 23 horas. De Lima, planejávamos seguir até Paracas, mas só poderíamos comprar as passagens quando chegássemos à capital. Regressamos ao hotel e reencontramos com o Denis para agradecer toda a atenção e suporte.


Em Huaraz todos os passeios que fizemos foram organizados por:
Denis Tours
Jr. José de la Mar, 520 Huaraz


Olá,
já curtiu nossa página no Facebook?
Curta e fique por dentro dos nossos novos posts!
https://pt-br.facebook.com/viajanteautonomo
Ah! Caso tenha alguma dúvida sobre algum ponto abordado nesta postagem ou quiser receber outras informações, registre seu comentário abaixo.a
Leia Mais ►