sábado, 15 de março de 2014

O sobrevoo das Linhas de Nazca (09º Dia - 01/02)

Conforme combinado na noite anterior com a agenciadora de passeios que atende no hotel "El Mirador de Nazca", por volta das 7:40 da manhã um motorista numa van nos buscou para levar-nos ao passeio contratado. O dia amanheceu muito bonito, céu azul, sem nada de neblina. Perfeito para realizar um dos passeios mais aguardados da viagem: o sobrevoo das enigmáticas Linhas de Nazca, um dos maiores mistérios da humanidade! 


O aeroporto María Reiche Neuman fica a apenas 5 km da Plaza de Armas e levamos uns 10 minutos para chegar até lá de carro. Naquela hora já haviam muitas pessoas aguardando para fazer o sobrevoo. O aeroporto é bem pequeno e o motorista da van nos encaminhou direto para o guichê da empresa Aero Palcazu, onde os outros dois passageiros do avião já estavam prontos, só nos aguardando para embarcar. Para nossa surpresa, estes outros dois passageiros eram justamente o Gustavo e a Eliza, os brasileiros que conhecemos no dia anterior em Paracas durante o passeio às Ilhas Balletas (ver postagem Passeio de barco às Ilhas Ballestas). Foi uma grande coincidência, pois não havíamos combinado nada! Um atendente já nos levou para pagar a taxa de embarque, que é cobrada separadamente ao preço do voo, lá se vão mais s/ 25,00 por pessoa... 
Gustavo e Eliza: brasileiros que conhecemos em Ilhas Ballestas - Amizade que nasceu em Nazca!

Em sobrevoo Linhas de Nazca
A aeronave para o sobrevoo Linhas de Nazca
Plano de voo da companhia aérea "Aero Palcazu"

A aeronave tinha capacidade para apenas 4 passageiros, além do piloto e copiloto. Cada passageiro fica com uma janela pra ver as figuras e é necessário usar um fone durante o voo para o copiloto ir explicando e mostrando cada figura no deserto. No total passamos sobre 12 figuras principais, além dos aqueodutos. Também pudemos ver algumas figuras geométricas trapezoidais e inúmeras linhas aleatórias na areia. Gostamos muito mesmo deste passeio. São incríveis as figuras desenhadas naquele deserto! Várias delas com mais de 100 metros de comprimento, sendo que pelas suas dimensões se destacam o "Condor" que possui 136 metrose e o "Alcatraz" com cerca de 300 metros. Para melhor visualização, o piloto inclina o avião a quase 90° sobre cada uma das 12 figuras. Isso mesmo! Primeiro ele inclina para um dos lados, depois dá a volta e inclina para o outro lado. Você fica quase deitado de lado, apreciando pela janela os desenhos no deserto de Nazca. Antes de voltar ao aeroporto ele ainda passou sobre os caracóis de captação de água dos antigos aqueodutos do povo Nazca. Foram cerca de 30 minutos de duração para um passeio que ficará para sempre na lembrança. 

Plataforma de visão da rodovia Panamericana - "El Árbol (70 metros) y las Manos (45 metros)"

"la Araña" (46 metros)

"El Condor" (136 metros)

"El mono" (110 metros)

"El Colibri" (96 metros)
Aquedutos de Nazca (Aquedutos de Cantayac)
Como foi possível desenhos tão grandes e tão bem elaborados resistirem durante séculos nas areias do deserto? Quem os fez e com qual propósito? O que significam? Algumas explicações que nos foram passadas dão conta de que estas figuras fazem parte de um calendário utilizado pelo povo Nazca, onde cada figura representa um período ou ciclo. O mistério dessas linhas desperta a curiosidade e imaginação de pesquisadores desde o início do século XX, quando foram descobertas. Uma das figuras mais surpreendentes é a do "astronauta". O desenho é no formato de uma pessoa com cabeça e olhos grandes (segundo alguns estaria usando um capacete) acenando com uma das mãos. Esta é a única imagem que foi desenhada inclinada, em uma colina. Todas as demais estão no plano... No livro "Eram os deuses astronautas" de Erich Von Daniken as Linhas de Nazca fazem parte de um conjunto de evidências que corroboram a teoria de que no passado extraterrestres visitaram a terra...
"El Astronauta" (32 metros)
O valor pago pelo passeio (100 USD por pessoa) ficou na média do pesquisado pela internet antes da viagem. Na verdade, nosso plano inicial era irmos diretamente ao aeroporto de taxi para comprarmos o passeio lá, diretamente com as empresas aéreas. Mas como na noite anterior, chegamos tarde à cidade de Nazca e acabamos comprando com a agenciadora do hotel (ver postagem Oásis de Huacachina: Como chegar ao "Oasis de las Américas"). Vimos que existem diferentes tipos de aeronaves e de trajetos de voos, os mais baratos são para aviões com maior quantidade de passageiros, nos quais alguns acabam tendo que sentar na fileira do meio, sem acesso à janela. Desta forma, fica mais difícil de ver... Outro ponto que serve como critério para a escolha da companhia que realizará o voo é a quantidade de figuras sobrevoadas, que são reduzidas para os voos mais econômicos.

continua 9º dia em postagem Nas tumbas do Cemitério Chauchilla

Olá,
já curtiu nossa página no Facebook?
Curta e fique por dentro dos nossos novos posts!
https://pt-br.facebook.com/viajanteautonomo
Ah! Caso tenha alguma dúvida sobre algum ponto abordado nesta postagem ou quiser receber outras informações, registre seu comentário abaixo.

Um comentário: