domingo, 27 de abril de 2014

Welcome to Egypt! Informações e dicas para viajar ao Egito


"Welcome to Egypt!" ... Esta foi uma frase que ouvimos muito desde o primeiro dia em que chegamos ao país. A maioria das pessoas esforçam-se para agradar os poucos turistas que se aventuram por lá nesta época. O Egito está se recuperando de um longo período de instabilidades e crise política, que ocasionou uma queda brusca dos visitantes. Assim, quem depende do turismo para sobreviver torce para que as coisas melhorem e os turistas voltem a visitar o país.

Saímos do aeroporto de Guarulhos por volta da 01:30 h da manhã do dia 30/03/2014 com o Boeing 787 da Ethiopian Airlines. A companhia africana possui um voo ligando o Rio de Janeiro, passando por São Paulo até Addis Ababa, na Etiópia. Na metade do caminho o avião fez uma breve parada em Lome, no Togo, litoral oeste da África. Chegamos à Addis Ababa por volta das 21:30 h, horário local (6 horas a mais em relação ao Brasil). No aeroporto da capital etíope já foi possível ter uma noção da cultura árabe e da religião islâmica, seja na maneira das pessoas se vestirem, ou falarem. Tudo era novidade para nós...
Skyshow com rota São Paulo - Lome - Addis Ababa

Após pouco mais de uma hora de espera fizemos nossa conexão rumo ao Cairo. Neste período conhecemos um brasileiro que estava no mesmo voo e também um egípcio que voltava do Brasil e falava português. O brasileiro Clever, assim como nós, também estava indo para o Egito como mochileiro para passar alguns dias. Já o egípcio Ahmed nos ajudou com as primeiras informações do país, dicas de turismo e nos auxiliou a passar pelos procedimentos de entrada no Egito quando desembarcamos.

Chegamos ao Aeroporto Internacional do Cairo por volta da 1:00 h da manhã do dia 31/03/2014 (+5h em relação ao Brasil). Para tirar o visto de entrada no Egito é necessário comprar um selo que é vendido ali mesmo no aeroporto e custa 15,00 USD. Em pouco mais de meia hora já estávamos no saguão de desembarque do aeroporto prontos para começar nossa jornada na terra dos faraós! Nosso contato do hostal já nos aguardava no saguão do aeroporto para nos levar à Gizé, onde ficaríamos no primeiro dia, mas isso contaremos na próxima publicação. Antes disso vamos deixar algumas informações e dicas importantes aos mochileiros que querem se aventurar pelo Egito.


Selo de Entrada (15,00 USD)
Corredor desembarque
Aeroporto Internacional do Cairo
Local para aquisição do selo de entrada ao país
Novos amigos (Clever e Ahmed)
Primeiramente, se você não fala árabe, é necessário ter uma boa noção de inglês para se virar por lá. Todos que trabalham com turismo no Egito falam um pouco de inglês e esta será sua língua oficial para pedir informações, se comunicar nos hotéis, restaurantes e pontos turísticos. Até mesmo para entrar no país ou passar por qualquer fronteira na região as autoridades farão perguntas em inglês, que você deverá responder naturalmente ou pode ter alguma dificuldade para prosseguir. Não precisa ser nenhum fluente na língua, basta conhecer as principais palavras e expressões, que eles vão te entender.

É necessário respeitar os costumes locais e se vestir de forma adequada. Para as mulheres, cobrir bem o corpo e não usar roupas muito justas. Usar sempre calça comprida, camisa que cubra bem os ombros e que não tenha decote. A maioria das mulheres egípcias se vestem assim, acrescentando-se apenas um lenço para cobrir o cabelo. Para as estrangeiras não é necessário usar lenço, mas é uma boa alternativa para não chamar muito a atenção e se proteger do sol. Para os homens nada de bermudas, use sempre calça comprida e camisa (pode ser manga curta). É claro que se você estiver em uma cidade de praia como Dahab ou Sharm El Sheik os turistas ficarão mais "a vontade". A regra geral é: vista-se comportadamente.

Prepare-se para o grande assédio dos vendedores nos pontos turísticos. Eles são bem insistentes e às vezes vão te tirar do sério. Se você tiver interesse no produto, sempre negocie bastante antes de comprar, pois os preços começam altos e vão baixando se você demonstrar desinteresse. Em regra, eles pedem para que você dê um preço para prosseguir com a negociação. Caso não tenha interesse, nem peça quanto custa, pois você vai ter muito mais trabalho... já esteja preparado para pronunciar "laa, chokran!" ("não, obrigado (a)!", em árabe) e ir se afastando.

De uma forma geral o país é seguro para os turistas quanto a questões de assaltos, roubos e violência. Mesmo à noite, andávamos tranquilamente pelas ruas com a câmera fotográfica pendurada no pescoço e com todo o dinheiro da viagem no bolso, coisa que definitivamente não faríamos no Brasil. 

No Egito, as pessoas gostam bastante de estrangeiros e são bastante receptivos. Nas visitas aos pontos turísticos sempre éramos abordados pelas pessoas para tirarmos fotos com elas. É uma sensação muito boa! Sempre que precisávamos de informações fomos auxiliados, então ficaram alguns amigos por lá...








Por outro lado, é preciso tomar cuidado com algumas malandragens pelas ruas do Cairo. Algumas pessoas abordam os turistas se oferecendo para ajudar, quando na verdade querem te levar para alguma loja de artesanatos ou restaurante para que você consuma neste locais. Sempre desconfie quando uma pessoa se demonstrar muito prestativa nas ruas sem que você tenha solicitado. Principalmente na região do Museu do Cairo e na região do Bazar Khan el-Khalili. 

Sem planejamento uma viajem dessas pode ficar difícil. É necessário definir previamente a rota, pesquisar custos, ter definido os meios de transporte, estabelecer horários de chegadas e partidas em cada cidade e ter pelo menos uma indicação de hospedagem em cada lugar.

No mês de abril, quando fomos pra lá, era primavera. Durante o dia, sempre bem quente e o sol muito forte. Em qualquer época do ano é indispensável um bom protetor solar, chapéu e óculos escuros. À noite esfria bastante, então leve também uma blusa.

Outro item indispensável é uma lanterna, sim lanterna. No Cairo existe uma espécie de rodízio em que eles cortam a luz por uma hora alternadamente em cada bairro. Na primeira noite pegamos este apagão em Gizá. A lanterna foi muito importante nesta hora.

Uma grande preocupação nossa era quanto aos protestos e confrontos entre a população e as forças de segurança que ocorreram intensamente no passado. Conforme acompanhávamos nos noticiários, estes protestos ainda aconteciam atualmente, porém de maneira bem mais esporádica. Além disso, mais recentemente as notícias de ataques terroristas contra o exército, com bombas que explodiam perto das bases militares também nos deixavam um pouco apreensivos. Felizmente não presenciamos nada disso por lá. Viajamos pelo país todo, inclusive na região do Sinai e não vimos nada relacionado. Na verdade o exército está bem atuante, eles ficam posicionados ao longo das rodovias fiscalizando veículos e pessoas e também nas principais ruas das cidades, protegendo os prédios públicos. Em frente ao museu do Cairo existe uma grande concentração de veículos militares prontos para agirem caso necessário. Bem ali na frente do museu, na praça Tahrir foi onde ocorreram os grandes confrontos que resultaram na morte de centenas de manifestantes desde 2011.




Por último, lembre-se que você está em um outro país, que possui uma cultura diferente da nossa, outros costumes, tradições, religião, comidas, etc... Viajar de forma autônoma no Egito é uma boa maneira de imergir nesta cultura e poder vivenciar tudo isso!

Welcome to Egypt!


Olá,
já curtiu nossa página no Facebook?
Curta e fique por dentro dos nossos novos posts!
https://pt-br.facebook.com/viajanteautonomo
Ah! Caso tenha alguma dúvida sobre algum ponto abordado nesta postagem ou quiser receber outras informações, registre seu comentário abaixo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário