sábado, 28 de junho de 2014

Quanto custa para visitar Petra





Quem não lembra do filme "Indiana Jones e a Última Cruzada" quando Harrison Ford, quase no final do filme, cavalga por um desfiladeiro até chegar em um magnífico templo esculpido na face de uma montanha. Lembro de quando era criança e ví esta cena pela primeira vez, aquilo despertou uma imensa curiosidade. Afinal um lugar tão incrível e exótico como aquele não parecia ser de verdade... Onde fica isso? Existe mesmo este lugar? Infelizmente, naquela época não existia internet para obtermos uma resposta imediata. Então demorou ainda um bom tempo para passar na TV uma reportagem que me fez saber que se tratava de Petra, na Jordânia. A fachada daquele templo era mesmo toda entalhada na rocha e o desfiladeiro para se chegar lá também existia. A única coisa que me frustrou um pouco foi saber que não havia nada lá dentro como contado no filme... mas isso não tirou a vontade de um dia conhecer este lugar. O filme de Steven Spielberg mostrou apenas uma pequena parte de Petra. O "Tesouro", nome do templo que apareceu no filme é apenas uma das inúmeras construções que os Nabateus fizeram na região entre os séculos III a.c e I d.c. Tivemos que caminhar muito para realizar esse "sonho de infância", mas confesso que superou todas as minhas expectativas... Wadi Musa é o nome oficial da cidade que você deve ir para visitar Petra. Chegamos lá na noite anterior vindos do Egito (ver postagem Como chegar à Jordânia). A cidade é pequena, mas oferece uma boa estrutura para receber os turistas. Possui muitas opções de hospedagem, serviços, restaurantes, mercados, etc. Acordamos bem cedo para tomar café e logo seguir para a visita de um dia à Petra. Antes fui procurar por algum mercado para comprar água e mantimentos para passar o dia. Encontrei apenas um mercadinho aberto às 6:30 da manhã, foi lá mesmo que abasteci minha mochila. Ainda bem que sobraram algum Dinares que eu troquei no dia anterior. Falando na moeda jordaniana, preparem-se para uma forte valorização dela, além de preços altos de praticamente tudo. Só para comparar, enquanto no Egito a gente trocava 1 USD por 7 LE, câmbio praticamente tabelado no país inteiro, na Jordânia 1 USD dava entre 0,64 a 0,70 DIN dependendo do local. Após o café seguimos para a entrada de Petra, que fica a cerca de 2 Km do centrinho de Wadi Musa. Era possível ir a pé, mas o atendente do hostal falou que conseguiria transporte free pra lá, então ele saiu na rua, fez um sinal com a mão para os carros que passavam. Um dos carros parou e ele conversou algo em árabe e fez um gesto para embarcarmos. O carro nos deixou no centro de visitantes, entrada do parque arqueológico de Petra. As entradas são vendidas com pagamento em Dinar apenas, mas eles aceitam cartão de crédito também. A entrada de um dia custa 50 DIN por pessoa; para visitas de 2 dias eles cobram 55 DIN e para 3 dias 60 DIN. Na verdade eles incentivam que as pessoas passem mais tempo lá cobrando ingressos proporcionais ao tempo de visita. No centro de visitantes tem uma casa de câmbio para trocar dólares pela moeda local. Há também inúmeras pessoas que trabalham como guias oficiais, falando diversos idiomas. Caso queiram contratar algum, o preço é tabelado em 50 DIN por um trajeto pré definido. Paguei os ingressos com cartão de crédito e decidimos não contratar nenhum guia. Iniciamos o trajeto à pé em Petra com nosso livro guia embaixo do braço.

Continua em: Visitando Petra - parte 1/2


Olá,
já curtiu nossa página no Facebook?
Curta e fique por dentro dos nossos novos posts!
https://pt-br.facebook.com/viajanteautonomo
Ah! Caso tenha alguma dúvida sobre algum ponto abordado nesta postagem ou quiser receber outras informações, registre seu comentário abaixo.



Um comentário: