domingo, 31 de agosto de 2014

Visitando Petra (parte 02/02)


Seguindo com os relatos da nossa passagem por Petra, na postagem Visitando Petra (parte 01/02) contamos como chegamos ao Monastério. Descrevemos também as atrações vistas ao longo do caminho e a impressionante vista do deserto no ponto mais alto da trilha que percorremos. Agora era hora de voltarmos... Tínhamos ainda alguns locais ao longo do caminho para ver, pois não havíamos parado nas atrações durante a ida.

No trajeto de descida do Monastério ao centro da cidade de Petra

A descida pela trilha foi percorrida a pé mesmo. Ao longo do caminho muita gente ainda subindo em direção ao Monastério. Alguns já exaustos nos perguntaram se faltava muito para chegar... O sol do início da tarde continuava muito forte. Nosso estoque de água também estava acabando, então foi necessário comprar mais uma garrafa em uma das tendas da trilha. Pagamos 1,50 DIN por uma garrafa de 1,5 L (em torno de R$ 5,00 . A mesma água custa 0,50 DIN no mercado no centrinho da cidade).

Tendas com venda de produtos de artesanatos em Petra

Na sequencia continuaremos com a descrição das atrações, conforme o mapa da foto abaixo fornecido na bilheteria, iniciando a descida do ponto 34 até o ponto 7:



Triclínio do Leão: o buraco da fechadura

Depois do longo trecho de descida, um pequeno desvio na trilha leva ao Triclínio do Leão (33). A entrada tem a forma de um buraco de fechadura na fachada provocado pela erosão e é ornamentada com arabescos nabateus.


Triclínio do Leão

O portão de Têmeno: a imponente entrada de um palácio

Chegamos ao ponto onde ficava o centro antiga cidade de Petra, local onde anteriormente havíamos iniciado o deslocamento com os burros. O Portão de Têmeno (21) emoldura o conjunto de túmulos reais. 

Portão de Têmeno, ao fundo o centro da cidade de Petra
Nesta parte plana e baixa de Petra se concentram muitas ruínas de palácios e templos da época em que os romanos conquistaram esta região (por volta do ano 100 d.c.). Ainda é possível ver as imensas colunas de pedra, características da arquitetura romana da época. As ruínas se concentram ao longo de uma espécie de avenida imponente ladeada por colunas conhecida como Cardo Romana (19).


Vista do portão de Têmeno e a Cardo Romana

Ruínas de um templo em Petra

Os Túmulos Reais de Petra

Encravados em uma encosta no lado oposto ao imenso teatro estão as construções conhecidas como os Túmulos Reais de Petra. As fachadas lembram um pouco a do Tesouro, porém já não possuem mais o mesmo acabamento conservado como o do famoso templo. Estes locais serviram como túmulos principalmente para as pessoas mais ricas e nobres entre os Nabateus. É possível subir e visitar algumas das galerias e salas destes locais que ficam dentro da montanha. A vista no alto dos Túmulos Reais é bem legal. Pode-se observar toda a planície com as ruínas da Antiga Cidade de Petra. Os principais túmulos são: o Túmulo da Urna (11), o Túmulo de Seda (12), o Túmulo Coríntio (13) e o Túmulo do Palácio (14).



Vista do Túmulo da Urna e Túmulo de Seda em Petra

Túmulo da Urna

Subida ao Túmulo da Urna em Petra
Fachada do Túmulo da Urna em Petra
No interior do túmulo da Urna





Túmulo Coríntio

O Teatro

Outro ponto impressionante de Petra, sem dúvida é o imenso Teatro (10) ao ar livre. Seguindo uma arquitetura romana da época, podia acomodar em torno de 7.000 pessoas sentadas em suas arquibancadas. Na parte superior ficavam os camarotes e na frente um palco para as apresentações.



O Teatro

Todo o esforço da caminhada, do sol forte, do calor foi recompensado pela experiência que tivemos neste local incrível. As construções feitas pelo criativo povo Nabateu nas montanhas do deserto da Jordânia continuam a impressionar os visitantes. O imenso trabalho que os Nabateus tiveram para entalhar e construir uma uma cidade única no seu tempo.


Descansando em uma das fachadas de Petra

Paramos mais um pouco para admirar e nos despedirmos do Tesouro (7). Uma imagem que ficará para sempre na nossa lembrança, uma conquista, um objetivo alcançado. Lá pelas 5 da tarde o sol já estava baixando, mesmo assim uma multidão ainda estava a contemplar o Tesouro. A impotente porta da fachada que guarda séculos de segredos, hoje guardada pela guarda jordaniana.

Porta de entrada ao Tesouro

Pegamos o caminho do Siq de voltar à bilheteria. Estávamos muito cansados, mas seguimos à pé. Saindo da bilheteria, na volta ao nosso hostal, pegamos um táxi, pois a subida era forte! Valor justo do taxi até o hostal: 2 DIN.  Pagamos 5 DIN porque não tínhamos a menor noção de quanto custava e até onde podíamos negociar... o primeiro preço proposto pelo motorista foi de 10 DIN.



Fim da tarde em Petra


Olá,
já curtiu nossa página no Facebook?
Curta e fique por dentro dos nossos novos posts!
Ah! Caso tenha alguma dúvida sobre algum ponto abordado nesta postagem ou quiser receber outras informações, registre seu comentário abaixo.
Abço, Denilson e Estela
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário