domingo, 21 de dezembro de 2014

Como explorar o sul da Patagônia e a Terra do Fogo

Conhecer um pouco da nossa vizinha Argentina indo além da capital Buenos Aires. Ir para uma terra distante, local de extremos, onde o clima é implacável e a natureza proporciona paisagens e experiências incríveis aos seus visitantes. Essa é a Patagônia, território que contempla o extremo sul da Argentina e uma parte do Chile.
A nossa viagem iniciou em Buenos Aires, onde ficamos por 3 noites. Ainda não conhecíamos a capital da Argentina e adoramos tudo o que vimos por lá. Mas esse vai ser o assunto de uma outra postagem. Depois seguimos de avião para Ushuaia, a cidade do "fim do mundo". Pergunte a um argentino sobre qual é a cidade mais ao sul do planeta e ele vai lhe dizer de boca cheia: "Ushuaia"! Mesmo Porto Willians no Chile sendo um pouco mais ao sul ninguém pode tirar de Ushuaia toda a temática turística por trás disso. "Porto Willians é apenas um vilarejo, não é uma cidade, só se chega de barco ou avião, não tem estradas, não tem turistas, não tem praticamente nada", foi o que me disse um taxista em Ushuaia quando perguntei da cidade chilena. Ushuaia vive com o turismo das pessoas que vão em busca da aventura (ou curiosidade) de se chegar ao "fin del mundo".

Ushuaia, a cidade mais austral do mundo
Tudo lá é inspirado neste tema: o trem do fim do mundo, a estrada do fim do mundo, a prisão do fim do mundo, o farol do fim do mundo e por aí vai... A cidade, de cerca de 57.000 habitantes possui uma ótima estrutura para receber os visitantes que vem do mundo inteiro: aeroporto internacional, hotéis e pousadas de todas as categorias, bons restaurantes, lojas, serviços, agencias de viagens. É possível chegar lá por via terrestre também, e esta é a opção preferida dos mais aventureiros que percorrem a famosa Rota 3 de moto ou carro.
Fim da Rota 03

Centenas de motociclistas percorrem esta estrada de mais de 3.000 km que liga Buenos Aires até Ushuaia. Mas esta região não é apenas um ponto distante no mapa. A natureza proporcionou um lugar impressionante em todos os sentidos. Montanhas cobertas de neve, grandes lagos, florestas, um clima imprevisível que muda o tempo todo e, é claro, muito frio, neve e ventos fortes. Ficamos em Ushuaia por 4 dias. Fizemos os principais passeios disponíveis aos turistas: navegação no canal de Beagle, caminhada no Cerro Martial, passeio off road nos lagos Fagnano e Escondido, trekking no Parque Nacional "Tierra del Fuego", visita ao museu do presídio e museu marítimo.


Navegação no Canal de Beagle

Off road nos lagos Fagnano e Escondido 


Caminhada no Cerro Martial
Trekking no parque nacional  "Terra del Fuego"

Depois seguimos de avião de Ushuaia para a cidade de El Calafate, que também fica na região patagônica, a cerca de 880 km ao norte de Ushuaia. A cidade é a base para se visitar a incrível geleira Perito Moreno, principal atração da região. Além da incrível geleira, que fica dentro do Parque Nacional do Glaciares, fomos visitar também o Parque Torres del Paine, no Chile. O passeio de um dia à Torres del Paine, a partir de El Calafate, é feito por uma agência de turismo local. O deslocamento é em caminhões 4x4 adaptados como uma espécie de ônibus para levar os turistas. Em El Calafate visitamos também o museu e o bar de gelo, lugar bem bacana e diferente de tudo. O museu conta sobre a formação das imensas geleiras da região, alerta sobre a necessidade de preservação e os riscos que as mesmas vem sofrendo devido ao aquecimento global. Já o bar de gelo é pura diversão! Cada grupo que entra fica somente 25 minutos lá dentro, onde tudo é feito de gelo: mesas, cadeiras, copos, paredes...

Geleira Perito Moreno
Torres del Paine no Chile

Glacio Bar
Depois destes passeios seguimos até a cidade de El Chatén, desta vez de ônibus interurbano. A cidadezinha fica a 220 km de El Calafate. El Chatén é a base para as caminhadas na região do Cerro Fitz Roy, um incrível conjunto de montanhas e geleiras em meio a Cordilheira dos Andes, considerado o melhor lugar para Trekking da Argentina e um dos melhores do mundo também. Passamos uma noite em El Chatén e no dia seguinte retornamos para El Calafate.


Cerro Fitz Roy
Trekking até a base do Fitz Roy

Nesta região da Patagônia a paisagem das montanhas nevadas mistura-se com as imensas planícies de campos abertos. Os Guanacos correm soltos entre as grandes estâncias de criação de ovelhas. Grandes lagos se formam com o derretimento das geleiras e da neve das montanhas. De longe é possível avistar imensos icebergs flutuando nas águas geladas destes lagos.

Lago Argentino, El Calafate
A Patagônia nos impressionou com suas belas paisagens e com seu clima frio. Fomos em uma época de transição entre o inverno e a primavera. Ainda tinha bastante neve nas montanhas, mas já não estava tão frio como faz no inverno por lá. No fim de outubro a primavera está no auge, então alguns guias nos disseram quer seria um bom período para ver a natureza em todo o seu esplendor com nova vegetação, mais animais, temperaturas e clima mais ameno. Mas leve em consideração também o que você pretende fazer lá, pois os passeios e esportes de frio (treno na neve, esqui), assim que o inverno acaba, saem das programações das agências. Já as viagens de navio para a Antártida ocorrem apenas no verão.


Questões práticas para viajar para a Patagonia Argentina



Roupas

O frio da Patagônia é percebido com mais intensidade devido aos fortes ventos gelados, tanto em Ushuaia quanto em El Calafate. Por isso é necessário usar as roupas adequadas. Aconselhamos levar roupas técnicas para esporte de frio, que são mais finas e leves e protegem muito bem. Aconselhamos usar as 'três camadas" de roupas: uma segunda pele para segurar o calor do corpo, uma blusa intermediária para esquentar e a última camada um jaqueta de material sintético impermeável, tipo "corta vento" com capuz. Use também uma segunda pele por baixo da calça. Para os pés é indispensável usar tênis ou bota de trekking (aqueles com garras no solado), não precisa necessariamente ser do tipo impermeável. É indispensável usar também luvas e gorro, pois o vento é muito, muito gelado.

Moeda

O Peso argentino é a moeda oficial, porém Dólar, Euros e Reais são muito aceitos e também muito disputados no "câmbio paralelo". Vamos explicar melhor! Em toda a Argentina existem duas formas para se trocar moeda estrangeira por Pesos: nas casas de câmbio, em que vale a cotação oficial do país e em todos os outros locais de comércio e turismo, como lojas, hotéis, restaurantes e até mesmo pelas pessoas nas ruas - o chamado câmbio paralelo. O câmbio paralelo paga uma cotação bem maior do que o câmbio oficial. Isso porque o país passa por uma crise econômica com uma inflação muito alta. O peso argentino acaba se desvalorizando muito rapidamente e as pessoas saem a procura de outras moedas, comprando dos turistas que chegam ao país. É muito difícil encontrar uma casa de câmbio "oficial", vimos poucas por lá. O câmbio paralelo acaba sendo a melhor opção mesmo. É preciso só ter um pouco de cuidado, principalmente em Buenos Aires, pois existem algumas notas falsas circulando. Em Ushuaia, a melhor cotação no "paralelo" sem dúvida está no Hotel Antartica Ushuaia. Não precisa estar hospedado lá para trocar, só entrar e pedir pelo câmbio. Em El Calafate o melhor local para trocar moeda estrangeira é no terminal rodoviário. Existe uma lojinha lá dentro do terminal que paga a melhor cotação da cidade. Em Buenos Aires vá até a Calle Florida, no centro da cidade. A melhor cotação conseguimos na rua mesmo, bem próximo ao Shopping Galerias Pacífico.

Comida

As carnes da Argentina são incrivelmente saborosas, eles sabem mesmo como preparar uma saborosa carne grelhada ou assada, como o tradicional bife de Chorizo ou o cordeiro patagônico. Não deixem de provar! Em Ushuaia também existem alguns restaurantes que servem o famoso caranguejo gigante "Centolla" ou "King Crab", retirado das águas geladas e profundas da própria região da Terra do Fogo. Existe uma variedade enorme de delícias típicas da região patagônica que você precisa pelo menos provar quando for pra lá, por exemplo, o doce de leite argentino, o sorvete, os licores e doces feitos com a fruta do Calafate, o alfajor, queijos e embutidos. Bebidas, como os vinhos Malbec (para acompanhar uma carne grelhada) e uma cerveja Quilmes tipicamente Argentina. Obviamente que em uma viagem mais econômica como a nossa, não dá para sair todos os dias para almoçar ou jantar fora.  Algumas vezes optamos por comprar comida no mercado e preparar um lanche no próprio quarto do hotel. Em Ushuaia existe um mercado bem completo no centro da cidade. Em El Calafate também tem um, mas no hostal em que ficamos era proibido trazer comida de fora, hehe.

Hospedagem

Na argentina existem bastante opções de hospedagem para todos os bolsos. Indicamos reservar pela internet, antes da viagem, algum lugar e levar consigo o comprovante da reserva, pois ao passarem pela imigração argentina no aeroporto eles vão pedir que comprovem que tem lugar para ficar. Não dá para fazer o que fizemos no Peru, quando chegamos só com a "cara e a coragem", sem lugar definido pra ficar no primeiro dia. Como mochileiros, sempre ficamos em locais simples, baratos e de fácil deslocamento nas cidades. Para isso utilizamos algumas ferramentas como:

  • AirBnb: é um aplicativo onde pessoas comuns oferecem quartos, apartamentos ou casas para alugar aos turistas. Você pesquisa por cidade em que deseja visitar, compara os preços com os locais oferecidos. Geralmente é mais barato que hotel e você pode ainda interagir com pessoas novas que lhe ajudarão com dicas da cidade. Em Buenos Aires pegamos um quarto por US$ 20,00 a diária. Cadastre-se no site www.airbnb.com.br/c/dvalentini1?s=8.




  • Buscadores de hoteis, como o Decolar.com, Hoteis.com

Dica: aqui vai uma dica bem interessante que descobrimos lá. Quando for adquirir uma estadia em hotel na Argentina pelo Decolar.com ou outro buscador opte pela opção "pagar diretamente ao estabelecimento". A reserva sairá instantaneamente, mas você irá pagar somente no check in. Neste caso a reserva é feita em dólar ou reais, porém ao realizar o pagamento opte por pagar em Pesos e em espécie (nada de cartão ou outra moeda, pague em Pesos!). Eles vão converter para a cotação oficial do país, mas como você trocou seu dinheiro antecipadamente na melhor cotação do paralelo (conforme as dicas que demos acima), o valor final ficará menor (nós conseguimos uma redução de 38%).

Veja o exemplo: reservamos o hostal Punta Norte em El Calafate por 3 noites pelo Decolar.com . A reserva ficou em 157 USD pelo período. Quando cheguei no Hostal paguei em pesos argentinos 1.321,00 ARS convertidos na hora pela atendente. A cotação oficial do país que ela utilizou na conversão foi de 8,42 pesos para 1 dólar. Como eu havia trocado antecipadamente em Ushuaia dólares a uma cotação muito melhor, de 13,5 pesos para 1 dólar, minha conta saiu pelo equivalente a 97,85 USD.

A mesma lógica recomendamos para tudo o que forem comprar na Argentina, pague em pesos! Troque seus reais ou dólares na melhor cotação que conseguir e pague tudo na moeda deles.

Custos

Seguem alguns custos da nossa viagem. Lembrando que os preços na Argentina sofrem muito com a inflação alta. Logo, o que pagamos em setembro de 2014 já não é mais o que você pagará atualmente. Outro detalhe é o padrão de serviço em hospedagens, restaurantes, hotéis, etc, que é muito pessoal. Vai depender do quanto você está disposto a pagar e o conforto que deseja usufruir. Por exemplo: hostal ou hotel, restaurante ou lanche, taxi ou transporte público, passeio com agência ou por conta própria...
Uma coisa que não muda muito são os preços dos passeios ofertados pelas agências, praticamente não há diferença entre uma agência ou outra para um mesmo passeio. Neste ponto achamos eles bastante organizados. Os preços são tabelados na Patagônia e as prefeituras fiscalizam e padronizam muita coisa quanto a isto. Relaxe quanto uma questão muito comum para quem viaja de forma independente: "será que estão me cobrando um preço realmente justo para este para o passeio?" Dúvida cruel!

Passagens de avião pela Aerolineas Argentinas:
  • Curitiba > Buenos Aires
  • Buenos Aires > Ushuaia
  • Ushuaia > El Calafate
  • El Calafate > Buenos Aires
  • Buenos Aires > Curitiba

Total R$ 1587,42 por pessoa (com as taxas e direito a "stopover" nas cidades)


Passeios de Ushuaia - Preços em Pesos Argentinos (setembro/2014):

  • Navegação no Canal de Beagle: 415,00 (por pessoa)
  • Trekking no Cerro Martial: somente o deslocamento de taxi ida e volta 150,00. Trekking na neve feito por conta própria
  • Passeio 4X4 na região dos lagos Fagnano e Escondido: 940,00 com almoço (por pessoa)
  • Trekking no Parque Nacional do Fin del Mundo: somente deslocamento de ônibus 200,00 (por pessoa). Trekking feito por conta própria
  • Visita ao museu e presídio do Fim do Mundo: 120,00 entradas por pessoa

Passeios na região de el Calafate - Valores em Pesos Argentinos (setembro/2014):

  • Passeio guiado na Geleira Perito Moreno (sem o trekking sobre a geleira): 400,00 por pessoa
  • Entrada no parque dos Glaciares: 150,00 por pessoa
  • Navegação no lago da geleira Perito Moreno: 180,00 por pessoa
  • Passeio guiado de 1 dia até Torres Del Paine (Chile): 1250,00 por pessoa
  • Entradas no parque nacional Torres del Paine: 20,00 USD por pessoa
  • Entradas museu dos glaciares: 160,00 por pessoa
  • Bar de gelo: 140,00 por pessoa
  • Trekking em El Chaten: pode ser feito por conta própria, pegamos um ônibus de El Calafate para El Chaten (~ 200 km  450,00 pesos por pessoa, ida e volta) + hospedagem em El Chaten


Olá,
já curtiu nossa página no Facebook?
Curta e fique por dentro dos nossos novos posts!
https://pt-br.facebook.com/viajanteautonomo

Ah! Caso tenha alguma dúvida sobre algum ponto abordado nesta postagem ou quiser receber outras informações, registre seu comentário abaixo.

Abço, Denilson e Estela

Um comentário: