domingo, 29 de janeiro de 2017

Visitando o Vale Sagrado (17° dia)








Para o povo Inca, tudo o que fosse sagrado na Terra tinha uma representação no céu. Desta forma, a Via Lactea, o "rio celestial", foi a inspiração para a criação de vários povoados ao longo do rio Urubamba, no trecho entre Pisac e Machu Picchu, dando origem ao Vale Sagrado. Nesta área, rica em belas paisagens, a arquitetura inca ficou registrada para nos mostrar a forma como esta civilização compreendia e se situava no mundo. Assim, o 17° dia de nossa viagem ao Peru, terceiro dia em Cusco, foi reservado para visitarmos este vale. Este roteiro é muito tradicional entre os visitantes da cidade de Cusco e pode ser um dos trajetos a ser utilizado para chegar ao povoado de Águas Calientes, base para a visita ao sítio arqueológico de Machu Picchu.


Rio Urubamba, Vale Sagrado

Pisac, Vale Sagrado


Optamos por contratar este passeio junto a uma agência em Cusco. As agencias locais organizam estes tours de um dia com micro ônibus e um guia que acompanha o grupo e vai explicando sobre os pontos visitados em cada parada. Geralmente eles tentam te oferecer um "pacote" combinado com outros  passeios para cada dia que você for ficar na cidade, incluindo também Machu Picchu. Contratamos somente o Vale Sagrado, que custou s/ 40,00 por pessoa (incluindo o almoço). É possível percorrer o Vale sagrado por conta própria também, de ônibus coletivo, taxi, ou até mesmo de bicicleta. É possível, inclusive, ir visitando cada vila em dois ou mais dias e pernoitar nas pousadas pelo caminho, conhecendo com calma cada ponto turístico do vale.  Como só tínhamos este único dia disponível, combinado com o deslocamento à Águas Calientes e Machu Picchu, o passeio guiado foi a nossa melhor opção.

Roteiro Vale Sagrado
Partimos de Cusco lá pelas 9:00 h. No nosso grupo estavam alguns brasileiros e peruanos. A primeira parada foi na estrada, para admirarmos a vista do começo do Vale no mirador de Taray. Na verdade o ônibus para também em alguns locais de venda de artesanatos no caminho, isso para que você compre e eles ganhem comissão dos vendedores. Os preços destes pontos de venda geralmente são maiores do que você vai encontrar no centro de Cusco, então nossa dica é de deixar pra ver artesanatos e lembrancinhas em Cusco mesmo.

Mirador de Taray


Na sequência seguimos até Pisac, onde vimos as ruínas dos terraços agricultáveis Incas, que ficam em uma encosta íngreme. Impressionante como eles conseguiram transformar uma terra de difícil acesso em um local de produção farta de alimentos. Pisac, assim como outras cidades Incas do Vale sagrado, também servia como um ponto fortificado de vigilância e descanso dos viajantes que circulavam pelo império. Nas encostas de Pisac também há um cemitério, porém as múmias que ali se encontravam não estão mais lá, foram saqueadas. O guia do tour vai explicando cada detalhe do local e depois você tem um tempo livre para dar caminhar e fotografar. 


Sítio Arqueológico de Pisac

Terraços agrícolas, em Pisac

Ruínas de Pisac

Construções de Pisac
Explorando as ruínas de um dos sítios arqueológicos do Vale Sagrado


Para ter acesso ao sítio arqueológico é necessário ter o adquirido o boleto turístico, comprado antecipadamente e à parte do passeio do Vale Sagrado (ver postagem "Os templos e ruínas nos arredores de Cusco"). Após  conhecer as ruínas de Pisac, descemos até a sede do vilarejo, com o mesmo nome. Hoje Pisac vive do turismo e da agricultura. Neste povoado há algumas fábricas artesanais de joias de prata.


Terraços e povoado de Pisac
Seguimos viajem até o restaurante, um pouco adiante de Pisac. O almoço estava incluso no pacote. Almoçamos em um buffet livre, no restante do Peru não havíamos encontrado nenhum restaurante com este serviço, todos eram tipo "à la carte". Na região de Cusco, estes restaurantes são mais comuns devido a grande presença de brasileiros. Na sequencia, seguimos em direção à Ollataytambo. Nestas alturas começou a chover e foi necessário vestir capas de chuva para subir até às ruínas. No topo da colina de Ollantaytambo o esforço é recompensado com uma vista maravilhosa da vila, das montanhas e do fundo do vale. O guia foi explicando sobre o local , suas construções de pedra e seu significado para a cultura Inca. Os terraços de Ollantaytambo são menores que os de Pisac, porém estavam muito mais conservados. No topo da montanha existem algumas pedras gigantes, entalhadas e e encaixadas perfeitamente, formando um ícone cerimonial Inca. Na montanha à frente, uma imagem na rocha lembra um rosto humano.


Sítio Arqueológico de Ollantaytambo
Vilarejo de Ollantaytambo

Após a visita de Ollantaytambo, nós ficamos na vila mesmo enquanto o restante do grupo seguiu o passeio até Chinchero. O trem até águas Calientes sairia da estação de Ollantaytambo, então deixamos de fazer a visita de Chinchero, que era a última do tour e não voltamos com o restante do grupo à Cusco. Com esta logística ganhamos um dia na viagem, combinando o passeio do Vale Sagrado com o deslocamento até Águas Calientes. Outros dois casais de brasileiros do grupo fizeram a mesma coisa que a gente e também ficaram em Ollantaytambo conosco.  O combinado era que o ônibus nos deixasse na estação de trem, que ficava cerca de 1,5 km da vila de Ollantaytambo, porém o motorista começou a discutir com o guia dizendo que não iria na estação pois estava atrasado e o ônibus precisava seguir viagem, pois afinal, já eram quatro e meia da tarde. O guia até tentou insistir, mas nitidamente o ônibus era subcontratado da agência. Não foi o combinado, mas como nosso trem sairia às 17:00 h, tivemos que sair correndo, pegar "mototaxi" para chegar a tempo à estação (ver postagem "Mototaxi Peruano" ...). Nestas horas o importante é garantir os horários e deixar as discussões de lado.  Pagamos 4 soles pela corrida "tuc-tuc" e chegamos à tempo de pegar o trem com folga. As passagens de trem já haviam sido compradas com antecedência. Assim seguimos por cerca de 1 hora e meia de trem até chegarmos no início da noite ao povoado de Águas Calientes. Não foi difícil encontrarmos um hostel com boas condições e preço acessível para ficarmos. Mais um dia intenso da viagem chegava ao fim. Esse, com uma ansiedade e expectativa ainda maior, pois estávamos a poucas horas de conhecer Machu Picchu. 





Olá,
já curtiu nossa página no Facebook?
Curta e fique por dentro dos nossos novos posts!
https://pt-br.facebook.com/viajanteautonomo
Ah! Caso tenha alguma dúvida sobre algum ponto abordado nesta postagem ou quiser receber outras informações, registre seu comentário abaixo.
Abço, Denilson e Estela.

2 comentários:

  1. Boa noite... estou indo com minha namorada p o Peru agora em maio... seus roteiros e explicacoes sao excelentes. Parabenss... entretanto sugiro q vcs acrescentem os nomes dos hostal q ficaram, ajudaria demaisss.... d qquee forma parabens novamente.

    ResponderExcluir
  2. Olá Dr. Patrik, obrigado pelo comentário e valeu pelo feedback! Vamos dar uma revisada e tentar incluir estas informações e outras mais que ainda estão faltando. Grande abraço!

    ResponderExcluir