terça-feira, 15 de agosto de 2017

Monte Saint Michel e Praias do Desembarque do dia D na Normandia (1/2)




Recentemente tive a oportunidade de viajar à trabalho para a França (março/2016). Foram 15 dias que passei na região de Versalhes para fazer um treinamento na sede da empresa em que trabalho aqui no Brasil. Como eu tinha um final de semana livre por lá, aluguei um carro e aproveitei para fazer uma viagem até a região da Normandia e conhecer  alguns lugares que eu queria a muito tempo muito visitar: o Monte Saint Michel e algumas das praias do desembarque do dia D da segunda guerra mundial.



Eu aconselho muito fazer este passeio. Além das belas paisagens e da questão histórica que envolve toda a Normandia, é muito prático alugar um carro e se deslocar pelo interior da França. O aluguel não é caro se comparado ao Brasil e o veículo vai lhe proporcionar uma liberdade muito grande de horários, deslocamentos e paradas para apreciar as belas paisagens do caminho. Se você vai estar à passeio ou a trabalho em Paris, considere dar esta esticada até a Normandia.  
Meu planejamento era de passar um dia todo (sábado) visitando o monte Saint Michel, dormir em algum hotel da região e no domingo cedo seguir até as "plages du débarquement" ou "prais do desembarque", como são conhecidos os pontos onde as tropas de soldados aliados chegaram para combater no famoso "Dia D", que definiu o rumo da Segunda Guerra Mundial.
Saí de Versailles às 03:00 h da madrugada de sexta para sábado. Meu destino direto era o Monte Saint Michel. Antes, verifiquei as opções de trajeto no site do Guia Michelin. Este guia é muito bom para planejar uma viagem de carro pela França, pois lhe dá as opções de trajeto com os custos estimados de combustível, pedágio, tempo do percurso, opções de parada para refeições, etc. O site me deu 3 opções de trajeto, optei pela rota mais curta e sem pedágio para a ida (N12), mesmo sendo a mais demorada. Neste caso é importante "ajustar" o GPS do carro para a rota definida, pois ele pode lhe indicar o caminho mais rápido, que neste caso seria pela rota A13 do mapa abaixo.

Percurso de Ida: Versailles ao Monte Saint Michel - 305 km - Opção 2 do mapa abaixo - Percurso sem pedágio, mas com diversos desvios por estradas locais. Saída de Versailles: 03:00 h - chegada ao Monte Saint Michel às 07:15 da manhã.


Além do percurso pela rota N12 ser mais demorada pelos inúmeros desvios e entradas por cidadezinhas e e estradas locais, eu peguei muito nevoeiro por praticamente todo o caminho. A neblina era tão forte que em alguns trechos era difícil pra ver a uma distância de uns 5 metros à frente. Tive que ir bem devagar.
Cheguei ao estacionamento do Monte Saint Michel às 07:15 da manhã do sábado. Só se pode chegar de carro até este estacionamento, que é pago fica a cerca de 3 km do Monte. À partir de lá é necessário deixar o carro e seguir a pé ou pegar os ônibus gratuitos que fazem o trajeto ida e volta do estacionamento até o monte. O estacionamento é todo automatizado: na entrada você pega um cartão na cancela automática e depois na volta existem caixas eletrônicos próximos ao estacionamento para fazer o pagamento, somente com cartão de crédito (custo de 11,70 euros para 24 horas de estacionamento).
Como eu cheguei muito cedo, não havia quase nenhum carro no estacionamento. Também não havia iniciado os serviços de ônibus até o Monte. Então peguei a mochila e a câmera e segui a pé mesmo. O frio era muito forte, o vento gelado e a neblina ainda persistia em fechar toda a visão à frente. Infelizmente naquele dia e horário  não foi possível ver a "paisagem de cartão postal" que é a visão do Monte distante,  com seu contorno característico se erguendo sobre a planície da baía.
Outro ponto importante a ser verificado antes de seguir para lá são os horários das marés. Como vocês devem saber, a fama do lugar se deve principalmente às incríveis e impressionantes mudanças das marés. Quando a maré sobe ao nível máximo o Monte fica totalmente ilhado, ninguém entra e ninguém sai à pé. Mesmo pela estradinha que dá acesso ao local desde o estacionamento, que foi elevada e reformulada recentemente, o ponto final dela também fica imerso.
Para minha sorte, naquele dia haveria a segunda maior maré do mês e o horário da maré alta seria em torno das 08:30 da manhã. Eu sabia disso pois pesquisei antes de sair de Versailles no site http://www.ot-montsaintmichel.com/en/horaire-marees/mont-saint-michel.htm. Então deu muito certo de eu chegar cedo e poder entrar antes da maré fechar o acesso. Mesmo com a neblina atrapalhando a visão mais ampla que eu queria ter da baía toda inundada ao redor do Monte, foi possível ver  a entrada encoberta e as pessoas esperando para poder atravessar.



Dentro dos limites das muralhas do Saint Michel você se sente em uma vila medieval, destas que vemos em filmes. Logo na entrada existe um portão que se abaixa formado uma ponte sobre um pequeno canal, bem no estilo dos castelos medievais. As construções são todas em pedra e existe uma alameda principal bem estreita para circulação dos turistas com diversos restaurantes, cafés, lojas de souvenires e algumas pousadas.




Esta alameda vai terminar justamente no acesso de visitação à Abadia, principal atração do local. Também é possível acessar parte da muralha e caminhar sobre ela, tendo uma vista maravilhosa de toda a baia e suas mudanças de marés.



O acesso ao Monte, dentro dos limites da muralha é gratuito. Ou seja, você pode circular pela alameda principal, pela muralha, frequentar os restaurantes, etc, sem ter que pagar o ingresso. O único local em que é cobrada a entrada é para visitar o interior da Abadia e toda a parte do mosteiro. O ingresso custou EU 9,00 e com certeza é o ponto mais interessante do passeio.
A visita à Abadia é autoguiada, bastando seguir as indicações. Existe a possibilidade de alugar um aparelho de áudio que reproduz faixas explicativas de cada parte visitada. O local é composto de vários níveis que foram sendo construídos ao longos dos anos. A igreja fica no nível mais alto, com uma torre enorme contendo a imagem do arcanjo Sant-Michel, podendo ser vista de muito longe. Em frente à igreja existe um terraço com a melhor vista da baía.




Seguindo a visitação, ao lado da igreja fica o claustro, uma espécie de jardim rodeado de colunas onde os monges ficavam meditando. É um belo jardim suspenso, pois depois no decorrer da visita você chega à parte inferior dele, que é um grande salão com imensas colunas e abóbodas.






Outro ponto alto da visita é o salão de refeições dos monges, com mesas de madeira posicionadas ao redor do ambiente. A igreja fica apoiada em imensas colunas de pedra, e no passeio também dá para ver a parte inferior dela, e acessar este local onde ficam estas colunas. Mais adiante existe uma sala onde fica uma dispositivo com uma grande roda de madeira e cordas onde os monges içavam os mantimentos lá para o alto da Abadia. Como o local ficava isolado a maior parte do tempo, este sistema garantia o abastecimento de forma rápida, sem prejudicar a privacidade dos monges. São diversos ambientes, corredores, salas que nos dão uma ideia de como os mongem viviam praticamente isolados no local. Com certeza é um belíssimo passeio !






Como eu disse anteriormente, o fato de chegar cedo, antes da maré subir e fechar o acesso ao monte me proporcionou poder visitar toda a Abadia tranquilamente, pois ela estava bem vazia. Somente quando a maré baixou, depois das 12:00 h, foi que uma multidão de turistas adentrou ao local.
Existem várias opções de restaurantes no local, mas com certeza, o mais famoso e tradicional é o La Mère Poulard. Neste restaurante o prato principal é o famoso omelete do Monte Saint Michel, que é preparado de forma bem artesanal. Os turistas podem acompanhar de uma janela os cozinheiros batendo o omelete à mão dentro da cozinha do restaurante. O cozimento é feito em panelas de ferro no fogo à lenha de uma forma bem rústica, fica uma delícia!



À tarde, já sem a neblina, foi possível ter uma vista mais ampla da baía, já com a maré bem baixa, e tirar mais fotos. Na verdade, quando a maré baixa fica uma imensa superfície de areia molhada com poças d'agua ao redor do Monte. É difícil e também perigoso caminhar nesta areia devido o risco de afundar nela. Alguns turistas até se ariscam dar uma volta ao redor do monte na maré baixa, mas geralmente fazem isso em grupos, com guia.


Lá pelas 17:00 h, com o sol já baixando no horizonte, o vento gelado e os turistas deixando o local em massa pela estrada de acesso, tirei as últimas fotos e filmagens do lado externo. Hora de se despedir e seguir viagem. Reservei um hotel "low cost" para esta noite antecipadamente pela internet ainda em Versalhes. Este hotel foi o Formule 1 (rede Arccor), que ficava na cidade de Avranches, a uns 15 km do Saint-Michel, nas margens da rodovia principal. Essa é uma das vantagens de se ter um carro disponível nessas horas, liberdade de horários e mais possibilidades de locais para se hospedar. O hotel custou 30,00 Euros em um quarto que poderia hospedar até 3 pessoas (sem café da manhã). É um hotel simples mas muito prático, principalmente se o objetivo for descansar e passar a noite para seguir viagem no dia seguinte.






Confiram mais algumas imagens do Monte Saint Michel no vídeo que fiz na minha visita:








Nenhum comentário:

Postar um comentário